Contas Médicas: Como a digitalização pode auxiliar?

Os hospitais trabalham com um grande volume de documentos diários. Desses documentos, os prontuários e as contas médicas são os mais importantes. As contas médicas são para controlar os gastos e seu eventual ressarcimento. O prontuários contém o histórico de cada paciente. Todavia, muitas empresas hospitalares ainda não usam a digitalização para esses documentos e, com isso, correm o risco de perdas destes documentos importantes.

Prontuários Médicos

prontuário médico é o conjunto de documentos padronizados e ordenados, onde devem ser registrados todos os cuidados profissionais prestados aos pacientes e que atesta o atendimento médico a uma pessoa numa instituição de assistência médica ou num consultório médico

Mas afinal, o que são contas médicas?

Para ser mais claro, as contas médicas, como o nome já diz, são as contas que o plano de saúde deve pagar de determinado procedimento que foi feito, além de controlar suas finanças com rigor. Por exemplo: se vários pacientes fizeram diferentes cirurgias em um hospital, elas estarão nas contas médicas que este hospital mandará para o respectivo plano de saúde. O hospital envia ao plano de saúde, e este, para depender dos procedimentos, pede alguns documentos e listas que servem para comprovar a validação destas contas. Outro exemplo é: para realizar o procedimento de ressonância magnética é preciso, por exemplo, que tenha o laudo médico, a guia de solicitação de licitação, etc. A falha na composição destes processos podem indicar a glosa de alguma conta médica.

A dificuldade de ter contas médicas e prontuários físicos

Muitos hospitais e clínicas ainda continuam com as contas médicas e prontuários de forma física. Isso pode prejudicar, e muito, os hospitais e planos de saúdes. Mas como?

Essas contas são muito importantes na hora de serem lançadas, e todo o procedimento deve ser bastante criterioso, todos os papéis devem estar devidamente corretos e dentro daquilo que cada instituição quer. Os prontuários devem ser armazenados durante toda a vida do paciente, mas já podem ser digitalizados e descartados.

A perda de um documento pode gerar grandes complicações. Mas para que estas dores de cabeça tenham um fim, o melhor a se fazer é transformar todo o meio físico em digital, pondo a digitalização como forma de amenizar os problemas.

Como a digitalização pode auxiliar?

Para que possamos entender ainda melhor o que estamos falando, temos o TISS para auxiliar você neste artigo. A Troca de Informações na Saúde Suplementar (TISS) foi estabelecida como um padrão obrigatório para as trocas eletrônicas de dados de atenção à saúde dos beneficiários de planos, entre os agentes da Saúde Suplementar.

O objetivo é padronizar as ações administrativas, subsidiar as ações de avaliação e acompanhamento econômico, financeiro e assistencial das operadoras de planos privados de assistência à saúde e compor o Registro Eletrônico de Saúde.

Daí vem a digitalização, auxiliando as contas médicas e prontuários, diminuindo os diversos papéis e lacunas que existem. Com ela, os requisitos principais para a análise das contas podem ser verificadas tranquilamente, pois a digitalização irá fazer com que aquela lista de procedimentos vire uma pasta com aquelas devidas contas médicas, e o mais importante, sem se preocupar com a perda deles. Além disso, a digitalização dos prontuários permite o descarte dos papeis e sua manutenção de forma eletrônica, economizando um enorme espaço físico.

Além disso, para enviar aquele documento para a empresa de plano de saúde ou um paciente, basta enviar eletronicamente por e-mail ou de outra plataforma que seja mais rápida.

Portanto, a digitalização dos documentos hospitalares e sua auditoria eletrônica unem-se aos sistemas de gestão hospitalar para modernizar clinicas, hospitais e planos de saúde.

Não perca mais nenhum post!

Assine nosso blog e receba novos posts diretamente em seu e-mail.