Saiba mais sobre a história do armazenamento de dados

O ser humano sempre procurou formas de armazenar dados e informações. A escrita em pedras e o papel são duas formas primitivas de transmitir as informações. Mas a evolução tecnológica exigiu que essas formas fossem superadas e evoluíssem, permitindo o armazenamento em maior escala e múltiplo processamento. Desta forma, o artigo de hoje vai falar sobre a história do armazenamento de dados, desde o início até a evolução atual.

 

Tear de Jacquard

Usava uma madeira perfurada que permitia repetir os padrões de tecido. Ela modernizou o trabalho manual do “tecelão”. Ele foi o primeiro tear mecânico inventado, e foi criado em 1801. Seu criador foi o francês Joseph Marie Jacquard.

 

 

Máquina tabuladora Holerith

Herman Holerith criou uma máquina leitora de cartões para otimizar o censo dos EUA de 1880. Ela lia os dados armazenados nos cartões e computava os resultados. Anos depois, em 1896, Hollerith fundou a empresa Tabulating Machine Company, com o fim de “explodir” comercialmente o seu invento. Em 1924, mudou seu nome para International Business Machines Corporation (IBM).

 

 

Tambor magnético

Em 1932, Gustav Tauscheck, criou um tambor magnético de gravação de dados, precursor do HD moderno. Era um cilindro giratório que podia ser magnetizado e gravava bits (0 ou 1). No modelo de Tauscheck, a cabeça de leitura e gravação não girava, apenas o cilindro.

 

 

 

Williams-Kilburn Tube.

Fred Williams e Tom Kilburn  desenvolveram em 1942 a primeira memória de alta velocidade. Era um tubo de imagem, semelhante à das antigas TVs, com bits representados. Uma placa de metal detectava as mudanças de bits representados no tubo.

 

 

 

Fita magnética comercial

Junto com um dos primeiros computadores, em 1951, o UNIVAC I recebe o drive de fita magnética UNISERVO, o primeiro drive de armazenamento de fitas para um computador comercial. Além disso, ele usava meia polegada de largura (13mm), feita de uma liga níquel-bronze de fósforo e tinha 1200 metros de comprimento.

 

 

 

Primeiro sistema de armazenamento de alta velocidade com fitas magnéticas.

Em 1952, o IBM 726 foi o primeiro sistema de fitas de alta velocidade. Ele utilizava um canal de vácuo para manter as fitas circulando entre dois pontos, permitindo um rápido processo de start/stop. Armazenava dois milhões de dígitos por fita, sendo alugado por 850 dólares/mês.

 

 

O primeiro HD

O primeiro computador com sistema de armazenamento em disco foi criado pela IBM, em 1956. Chamado de RAMAC 305, ele tinha uma capacidade para armazenar de cinco megabytes apenas, que na época, era incrível e sofisticado. O sistema era tão grande quanto dois refrigeradores e usa 50 pratos de 24 polegadas de diâmetro.

 

O primeiro disco rígido removível

Em 1963, foi criado o primeiro disco rígido removível fabricado pela IBM, a mesma que fez o RAMAC 305. O 1311, como era chamado o aparelho removível, possuía discos de 14 polegadas e tinha 2,6 megabytes.

 

 

 

 

A introdução do chip TROS

A IBM, em 1964, introduziu o TROS (transformer read only storage), um chip que deu início às pesquisas das ROMs de estado sólido.

Cada bit desta memória era um transformador magnético pequeno. O zero e o um eram representados pela maneira como a corrente fluía pelo transformador.

 

Primeiro drive de disquetes flexíveis
O primeiro drive de disquetes flexíveis da IBM, chamado de Minnow, foi criado em 1968.  Eles eram discos só para leitura que faziam download de microcódigo para o controlador do Merlin.
 
 

O primeiro “Winchester”

Em 1973, a IBM lançou o Winchester 3340, um disco duro cuja cabeça de leitura estava por cima de um filme de ar com uma espessura de apenas 0.43 µm. A sua capacidade acrescida em relação ao RAMAC, bem como a sua dimensão e o seu peso reduzidos, fizeram deste disco o novo standard de periférico de armazenamento de acesso direto.
 
 
 

A solução para o armazenamento em massa

As fitas magnéticas em cartuchos foram à solução encontrada para o armazenamento em massa da IBM. O IBM 3850 possuía 4720 cartões, armazenando 236 GB de informação e tinha seis metros de comprimento. Vale ressaltar que o IBM 3850, pelo seu formato, ficou conhecido como armazenamento em colméia.

 
 
 
 

Criação do “pai dos CDS e DVDS”

O Laserdisc foi o primeiro disco óptico de armazenamento de áudio e vídeo disponível ao público. A tecnologia foi demonstrada no ano de 1972 num protótipo das empresas MCA e Phillips e estava disponível no mercado a partir de dezembro de 1978, nos Estados Unidos como MCA DiscoVision.

 

 

 O surgimento da fita cassete e do disquete.

Primeiramente, a fita cassete, que muita gente usava ainda no início deste século, foi lança em 1963. Ela era construída basicamente por dois lados, com fita magnética e todo o mecanismo, alojados numa caixa plástica, que ajudava no manuseio e utilização do dispositivo.  Isto facilitava no manuseamento, permitindo que a fita fosse colocada em qualquer ponto da reprodução ou gravação sem a necessidade de ser rebobinada como as fitas de rolo. Já outro dispositivo que foi bastante utilizado pelas pessoas foram os disquetes, lançados no final da década de 1960, mas só chegaram ao mercado e foram disponibilizados para o consumidor em 1971. Um fato curioso é que de vários formatos de disquete, o mais popular foi o de 3,5 polegadas, na metade dos anos 1990,  e com capacidade de armazenamento  de até 1,44 mb.

 CD-R e os DVD´s

Duas formas de armazenamento que, mesmo em pequena escala, ainda são utilizados. O CD -R surgiu em 1985 e ele é composto por seis camadas, permitindo a gravação de dados num drive comum de CD-R. Estima-se que eles tem 650 (ou 700) MB de capacidade de armazenamento de dados e que se for usado para gravação de áudio, possui 74 (ou 80) minutos de capacidade.

Os Dvd´s vieram logo em seguida, anunciados em 1995 e com capacidade  de armazenamento maior que aos dos CD´s (4,7 GB), devido a uma tecnologia óptica superior. Vale ressaltar que existem diversos tipos de DVD, sendo os não-regraváveis e os regraváveis.

 

IBM DiskOnKey

Este tipo de primeiro armazenamento flash no mercado foi criado em 2000 pela IBM, com custo, na época, de U$ 49 e oferecia oito MB de armazenamento. Uma curiosidade é que o DiskOnKey pôs fim à utilização de disquetes e ZIPS (outra forma de guarda), sendo o primeiro tipo de armazenamento portátil com dimensões de bolso.

 

 

 

E no futuro?

Como a modernidade a cada dia cresce em todo o mundo, podemos dizer que a forma de armazenamento, com os anos, irá evoluir. Hoje em dia já existem discos de oito TB (terabytes) em diversos lugares, com custo de R$ 3.000. Um fato bastante interessante é que, até 2020, diz-se que irá ter discos de 20 TB.

Já a multinacional japonesa Hitachi criou um chip de vidro de quartzo que não só é capaz de armazenar informação digital por tempo indeterminado como também é capaz de suportar altas temperaturas e ser aquecido a 1000 graus ºC, durante, pelo menos, duas horas, sem danificação. O protótipo do chip é apenas 2×2 cm com uma espessura de 2 milímetros.

Não perca mais nenhum post!

Assine nosso blog e receba novos posts diretamente em seu e-mail.